Como a Tecnoprev pode contribuir para o crescimento e proteção de sua empresa?

A Tecnoprev é uma empresa de Consultoria na área de Segurança em Operações Industriais com profissionais com mais de 10 anos de experiência, atuando em:

 

Consultoria em Análise de Segurança de Processos;

Consultoria em Avaliação e Gerenciamento de Riscos;

Consultoria em Atendimento aos Requisitos Ambientais;

Objetivos Estrátegicos da Tecnoprev para a prestação desse serviço

 

A avaliação e o gerenciamento de riscos nas atividades industriais é uma necessidade imperativa. Está em jogo a segurança de processos, de pessoas, do meio ambiente e do próprio patrimônio.

 

Para fazer frente a essas demandas, nossa empresa oferece ao mercado soluções que permitem avaliar de forma mais precisa os riscos de operações industriais complexas.

 

Essas soluções são baseadas no uso de métodos, técnicas e ferramentas computacionais que possibilitam avaliar de forma mais precisa as conseqüências, vulnerabilidades e riscos de cenários acidentais, bem como a confiabilidade de componentes, equipamentos e sistemas.

Análise de Riscos em Processos Industriais

Introdução

A Metodologia de Identificação de Riscos de Processos Petroquímicos visa a prevenção de e/ou protecção de potenciais de perdas materiais, humanas e danos ao meio ambiente que possam surgir  desde a fase de projeto ou, durante a vida útil destas instalações. Utilizando-se estas técnicas é possível fortalecer os aspectos de segurança de processos petroquímicos a um nível de risco aceitável pela sociedade em geral. 

 

Os órgãos governamentais de meio ambiente estão exigindo a elaboração de estudos de análise de risco como requisito para que as empresas obtenham as respectivas licenças de instalação (LI) e/ou de operação (LO), tanto de suas novas instalações, como de ampliações e/ou modificações de seus processos petroquímicos.

 

Conceitos

Em toda metodologia de análise existem conceitos importantes que devem ser adotados, afim de normalizar a terminologia nos estudos de análise de risco. Alguns destes conceitos, recomendados pelos Manuais de Análise de Risco do Banco Mundial e Orgãos Fiscalizadores Ambientais do Brasil, são:

 

Acidente: É um evento que pode influir negativamente em qualquer um ou todos os fatores relacionados a seguir:

 

- ser humano (operadores, trabalhadores em geral, etc.);

 

- meio ambiente;

 

- equipamentos/construção (investimento industrial);

 

- aspecto tecnológico (“know-how”);

 

- “imagem” da empresa.

Análise de Riscos: É um estudo de identificação, avaliação e recomendações aplicado para instalações industriais ou outras atividades que possam gerar riscos.

 

Cenário Acidental: É um conjunto de fatores ambientais, físicos, humanos e operacionais que compõe a situação no momento de um acidente.

Disponibilidade: É o intervalo de tempo em que um dispositivo e/ou sistema permanece operacional e sem falhas.

Efeito Dominó: É a conseqüência decorrente de uma sucessão de eventos indesejáveis que possam ocorrer após um evento inicial.

Explosão: É o fenômeno onde ocorre uma rápida, inesperada e violenta liberação de energia.

“Flash Fire”: É a ignição extremamente rápida de uma nuvem de vapor inflamável onde a massa envolvida não é suficiente para a ocorrência de uma explosão, porém causando danos pela intensidade da radiação térmica emitida.

Freqüência de Ocorrência: É o número de ocorrências de um evento indesejável por unidade de tempo (no de ocorrências/ano).

Gerenciamento de Riscos: É uma coleção de recomendações de segurança, visando a mitigação ou minimização dos riscos encontrados no estudo de análise de risco, seu planejamento de implantação, responsabilidades e cronograma.

Jato de Fogo (“jet fire”): É o incêndio resultante do fenômeno entre o vazamento de um gás inflamável e o seu encontro com uma fonte de ignição próxima ao ponto de liberação do gás.

Perigo: É o potencial de causar danos aquilo que os seres humanos valorizam.

Plano de Ação de Emergência: É um planejamento de procedimentos de emergência a serem implantadas por ocasião da ocorrência de uma emergência em uma instalação industrial.

Risco: É a possibilidade (probabilidade) de que o perigo produza seus efeitos danosos no que os seres humanos valorizam.  É função da probabilidade de ocorrência de um evento indesejado e dos seus respectivos danos.

Risco Individual: É a probabilidade anual que um indivíduo tem de morrer após a ocorrência de um acidente.

Risco Social: É o risco à população presente na zona de influencia de um acidente.

Segurança: É a habilidade de se executar funções e/ou atividades sem ocorrência de acidentes.

Vulnerabilidade: É a medida da extensão dos efeitos danosos aos seres humanos e materiais, decorrentes de incêndio, explosão e emissão tóxica ocorridos em instalações industriais.

Técnicas de Identificação de Perigos utilizadas pela Tecnoprev

As técnicas de identificação de perigos industriais mais importantes são as seguintes: 

 

Análise Preliminar de Perigos (APP), “What-if” (e - se), HAZOP e FMEA (“Fail  Mode & Effect Analysis”). Para o emprego dessas técnicas utiliza-se uma sistemática técnico-administrativa que inclui princípios de dinâmica de grupo e que pode ser reaplicado periodicamente.  Para maior efetividade, recomenda-se que sempre seja eleito um líder no grupo, com conhecimentos suficientes da técnica e do processo, para conduzir efetivamente os estudos de identificação dos perigos da instalação. Devido ao seu caráter bem estruturado e sistemático, essas técnicas são um instrumento capaz de ser altamente exaustivo na detecção de potenciais de risco.  Todas elas possuem planilhas específicas de aplicação, onde são registrados os estudos e as conclusões de seu emprego.

- Análise Preliminar de Perigos (APP)

A técnica APP, permite inicialmente identificar e analisar em forma abrangente os potenciais de riscos que poderão estar presentes na instalação analisada.  Essa  técnica possui um formato padrão tabular, onde, para cada perigo identificado, são levantadas suas possíveis causas, efeitos potenciais, medidas de controle básicas para cada caso, a nível preventivo e/ou proteção, tanto aquelas já existentes ou projetadas como aquelas a serem implantadas na instalação.  Finalmente, os perigos identificados pela APP são avaliados com relação a sua freqüência de ocorrência, grau de severidade e nível de suas conseqüências considerando os potenciais danos resultantes à pessoas, materiais (equipamentos e edificações), meio ambiente e à comunidade em geral.  As categorias de perigo foram adaptadas para instalações petroquímicas, a partir da Norma Militar Norte Americana MIL-STD-882 B. As categorias de perigo originalmente definidas por essa norma norte americana,  constam de tabelas e da matriz de risco que devem ser consideradas na categorização dos perigos identificados.  Essa categorização tem como objetivo estabelecer uma priorização na implementação das recomendações de segurança na instalação analisada. Essas informações podem também ser utilizadas nas outras técnicas de identificação de perigos.  Os resultados da APP são apresentados em planilhas de análise.

“What-if”  (E - se)

A técnica  “What-If”  é um procedimento de revisão de riscos de processos que se desenvolve através de reuniões de questionamento de procedimentos, instalações, etc. de um processo, gerando também soluções para os problemas levantados. Seu principal objetivo é a identificação de potenciais de riscos que passaram desapercebidos em outras fases do estudo de segurança. 

O conceito é conduzir um exame sistemático de uma operação ou processo  através de perguntas do tipo  “O que aconteceria se ...”  e, com isto, permitir a troca de idéias entre os participantes das reuniões, favorecendo e estimulando a reflexão e a associação dessas idéias.  A limitação da técnica se deve algumas vezes aquelas propostas de difícil condição de realização, quer na prática ou quer economicamente. O julgamento da implementação de qualquer ação proposta deve ser o do consenso do grupo de análise. 

A equipe técnica é multidisciplinar, deve ser composta de técnicos experientes na operação e de um líder experiente na aplicação da técnica, obedecendo a um limite máximo de seis participantes.  As reuniões devem ser matinais, realizadas em dias alternados e com duração não superior a quatro horas para cada reunião. As questões devem ser anotadas e enumeradas em uma planilha de trabalho.  Os riscos, causas, conseqüências, ações existentes e recomendações de segurança correspondentes a essas questões  também devem  ser registradas nesta planilha.   Geralmente, o estudo procede desde as entradas do processo até as respectivas saídas.  As questões de segurança também devem ser anotadas durante a análise.  Após o registro das ações a serem tomadas, é efetuado uma avaliação dos potenciais de riscos identificados e a implementação dessas ações é priorizada conforme a sua categoria de risco.

Análise de Perigos e Operacionalidade  (HAZOP)

A técnica HAZOP favorece oportunidades para se desenvolver a imaginação dos componentes do grupo de trabalho, de modo a se estudar todas as possíveis maneiras de ocorrência de perigos e problemas operacionais.  HAZOP é uma abreviação do nome inglês desta técnica, significando “Hazard and Operability Study”. De acordo com LAWLEY (1974), os principais objetivos do HAZOP são identificar todos os desvios operacionais possíveis do processo e também identificar todos os perigos e/ou riscos a eles associados.  Essa ferramenta de análise de risco de processos é muito poderosa no sentido de minimizar ou até eliminar problemas operacionais que tendem geralmente a conduzir o operador a cometer um erro operacional que, muitas vezes poderá conduzir a um acidente industrial de graves proporções para o empreendimento como um todo.

 

No HAZOP se estuda as conseqüências da combinação de palavras-guias com as variáveis do processo, resultando no desvio a ser analisado e, finalmente, propõe-se recomendações de segurança.   As principais palavras-guias são: ausência, mais, menos, etc., as variáveis, temperatura, pressão, vazão, etc. e os desvios, maior pressão, menor temperatura, etc.  O HAZOP é elaborado de acordo com as seguintes etapas:  definição dos objetivos do estudo, seleção da equipe de trabalho, preparação para o estudo, realização das reuniões técnicas, acompanhamento das pendências, registro do estudo em planilhas próprias, elaboração e implementação das recomendações de segurança de processo sugeridas no HAZOP.

FMEA (“Fail  Mode & Effect Analysis”) ou AMFE (Análise de Modos de Falhas e Efeitos)

Essa técnica permite analisar o modo de falha, ou seja, como podem falhar os componentes de um equipamento ou sistema, estimar as taxas de falhas, determinar os efeitos que poderão advir e, consequentemente, estabelecer mudanças a serem realizadas para aumentar a probabilidade do sistema ou do equipamento em análise funcione realmente de maneira satisfatória e segura. Os seus principais objetivos  são:

 

- revisar sistemataticamente os modos de falhas de componentes para garantir danos mínimos ao sistema;

 

- determinar os efeitos dessas falhas em outros componentes do sistema e a probabilidade de falha com efeito crítico na operação do sistema;

 

- apresentar medidas que promovam a redução dessas probabilidades, através do uso de componentes mais confiáveis, redundâncias, etc.

 

A FMEA é geralmente efetuada de forma qualitativa. As conseqüências de falhas humanas no sistema em estudo não são consideradas, uma vez que poderão ser analisadas em análise de erro humano e em ergonomia.  A quantificação da FMEA é utilizada para se estabelecer o nível de confiabilidade de um sistema ou subsistema.

 

Para se aplicar a FMEA é necessário se conhecer em detalhes e compreender a missão do sistema, suas restrições e seus limites de falha e sucesso.  O sistema em análise pode ser divido em subsistemas que possam ser controlados. A seguir, traçam-se os diagramas de blocos funcionais do sistema e de cada subsistema, afim de determinar o seu inter-relacionamento e de seus componentes e preparam-se  listas completas dos componentes de cada subsistema e suas funções. Finalmente, estabelecem-se os modos de falhas que poderiam afetar os sistemas e suas respectivas gravidades, as taxas de falhas e se propõem medidas de segurança. As taxas de falhas podem ser classificadas no seguintes grupos:  provável, razoavelmente provável, remota e extremamente remota.  A estimativa das taxas de falhas é obtida em banco de dados de confiabilidade desenvolvidos em testes realizados por fabricantes de componentes ou pela comparação com sistemas semelhantes.

 

Os modos de falhas a serem considerados são: operação prematura, falhas em operar e cessar operação no momento devido e falha durante a operação.  Freqüentemente existem vários modos de falha para um único componente. Qualquer uma delas poderá ou não gerar acidentes.  Cabe ao grupo de análise determinar quais dessas falhas são importantes para a segurança do sistema e analisá-las separadamente.

 

A FMEA é uma técnica muito eficiente quando aplicada para sistemas simples ou em falhas simples.  Para sistemas mais complicados recomenda-se a análise de árvore de falhas.

Índices DOW e MOND

Os índices DOW e MOND foram respectivamente desenvolvidos pelas empresas norte americana DOW CHEMICAL e ICI inglesa (divisão MOND) para avaliar os potenciais de incêndio, explosão e toxicidade em instalações industriais. O índice DOW foi considerado como uma das técnicas mais importantes para a avaliação de riscos industriais de instalações existentes e recomendado pelo manual técnico CEP do “American Institute of Chemical Engineering - AIChE” .

 

O índice DOW é muito utilizado por companhias de seguro industrial contra incêndios, pois, é um método direcionado para estimar o potencial de fogo de instalações industriais ou não.

 

A divisão MOND da empresa ICI percebeu em 1979 que o índice DOW tinha uma importância muito grande na avaliação de potenciais de riscos em etapas iniciais de empreendimentos industriais.  Assim, desenvolveu o que chamou de índice MOND, como sendo um avanço do DOW e com possibilidade de ser utilizado também em instalações industriais existentes.  Os principais avanços tecnológicos do índice MOND sobre o DOW são: facilitar o estudo de várias instalações de estocagem e processamento, abranger o processamento de produtos com propriedades explosivas, avaliar a toxicidade de produtos químicos/petroquímicos e aplicar fatores fixos de penalidade para aspectos deficientes em segurança e fatores fixos de bonificação para aqueles aspectos considerados seguros no empreendimento.  Ambos os métodos possuem o formato de um “check list” e ao final da sua aplicação, alcança-se um determinado valor que é comparado com a tabela de risco.  A partir da localização do valor nessa tabela se concluí pelos níveis de distanciamento entre equipamentos e/ou unidades industriais. Por esse motivo o índice MOND é muito útil para se realizar implantações físicas (“lay-outs”) de instalações industriais.

A importância das ferramentas de análise de risco

Todas as ferramentas de análise de risco, tanto as qualitativas quanto as quantitativas, servem para nortear o gerenciamento de risco no processo industrial. Adotar ações de Quality Risk Management (QRM) é uma garantia de conformidade com as normas estabelecidas pelas autoridades regulatórias. Além disso, é a porta de acesso para a conquista de certificações de qualidade e a certeza da entrega de um produto seguro e qualificado para o mercado.

Documentos Utilizados

Na elaboração destas técnicas de identificação de riscos, recomenda-se a consulta dos seguintes documentos técnicos: descrições de processo, fluxogramas de processo e/ou de engenharia atualizados, dados dos produtos químicos utilizados, especificações técnicas, implantações físicas das instalações e manuais ou procedimentos operacionais e/ou de manutenção.  Esses documentos devem sempre representar a última versão da instalação em estudo, portanto, são considerados sendo como a fotografia desta instalação.

Tenha a certeza que o seu processo industrial estará em boas mãos junto com a equipe técnica que compõe a Tecnoprev Tecnologia em Prevenção. Nossa equipe estará totalmente capacitada para lhe propor uma experiência gratificante atendendo todas as suas expectativas nos nossos formatos de negócios e serviços prestados. 

CONSULTORIA EM ANÁLISE DE RISCOS INDUSTRIAIS E SEGURANÇA DE PROCESSOS

Ligue: (71) 4113 - 2600 | 9 9991  - 3478    email: contato@tecnoprev.net

Curta nossas páginas nas redes sociais